Agora no Portal

Quadrilha coloca reféns em cima de carro e sai em alta velocidade depois de assalto a banco




Uma quadrilha armada com fuzis, formada por pelo menos 20 pessoas, invadiu a cidade de Conde, a 200 km de Salvador, por volta das 11h desta terça-feira (2), gerando pânico entre a população e a polícia. De acordo com a Polícia Civil, os criminosos atiraram por mais de 20 minutos e os disparos atingiram a delegacia, a viatura e o alojamento da Polícia Militar.

Em seguida, eles se dirigiram para a agência do Banco do Brasil e teriam fugido com cinco reféns, de acordo com informações da Polícia Civil. Um deles chegou a ser preso no "capô" de uma caminhonete e outros quatro dentro do veículo. Até por volta das 14h30, não há informações se as vítimas foram libertadas.

O delegado André Silva conta que estava acompanhado apenas a um escrivão na delegacia e que desconfiou do crime quando ouviu um segundo tiro. Nesse momento, ele olhou para rua, viu as dezenas de homens armados e correu em sentido contrário, junto ao colega investigador. "Eu estava na minha sala, achei estranho, um barulho seco, não parecia fogos de São João. Na hora do segundo tiro, avistei um monte de gente armada. Nós conseguimos correr para o lado contrário. Foi muito tiro na cidade.

Eles chegaram nos procurando. Podiam nos matar", afirmou o delegado, ainda agitado após a situação.
Segundo o delegado, a equipe da PM da cidade também não podia entrar em confronto com os bandidos. "Eles atiraram no posto da PM, na viatura. Não tinha como entrar em confronto", diz. O delegado pediu reforço de equipes policiais do estado de Sergipe, além da PM, do Comando de Operações Especiais (COE) e da Coordenadoria Regional do Interior (Coorpin), com objetivo de buscar as pessoas feitas reféns.

Segundo o delegado, ainda não há confirmação se o grupo conseguiu roubar dinheiro do banco. A polícia informa ainda que há informação de que a quadrilha já abandonou os veículos usados na fuga. O G1 entrou em contato com a assessoria de comunicação do Banco do Brasil e aguarda posicionamento.